Conheça também nossas redes sociais: icon facebook icon twitter icon flickr 

Estão abertas as inscrições para o II Seminário de Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos que será realizado no dia 18 de maio, pelo Núcleo de Fitoterápicos (Nufito), da Secretaria da Saúde do Estado, na Casa José de Alencar, das 8 às 17 horas. Com 150 vagas disponíveis, o seminário é para os profissionais de saúde que trabalham com plantas medicinais e fitoterápicos nas Farmácias Vivas do Estado do Ceará. As inscrições podem ser realizadas pelos telefones (85) 3101-4364 e 3101-4187 ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. .

Na programação, palestras, depoimentos e trocas de experiências sobre as farmácias vivas, hortos polos e arranjos produtivos locais com plantas medicinais e fitoterápicos; práticas integrativas e complementares; cultivo de plantas medicinais, além da apresentação e discussão sobre a vida e obra do Prof. Francisco José de Abreu Matos, idealizador do Projeto Farmácias Vivas.


Quando bem utilizadas e administradas por profissionais capacitados, as práticas naturais e complementares de saúde podem trazer grandes benefícios. O Nufito presta apoio técnico-científico e faz capacitação de pessoal para promover a fitoterapia em saúde pública no Ceará. As 30 espécies que integram a Relação Estadual de Plantas Medicinais (Replame) produzem fitoterápicos indicados como tranquilizantes, broncodilatadores, antissépticos, cicatrizantes, antiinflamatórios entre outras indicações. Plantas tradicionais da flora regional já são utilizados na produção dos fitoterápicos, entre elas babosa, capim santo, eucalipto, pau d’arco, confrei, romanzeira, malvariço, malva santa, alfavaca, aroeira, maracujá e goiabeira.


Pioneirismo

O Ceará foi pioneiro na regulamentação utilização, pelo SUS, de plantas medicinais, fitoterápicos e serviços relacionados à fitoterapia. Decreto publicado no Diário Oficial do Estado, em janeiro de 2010, autorizou a Secretaria da Saúde “a implantar a política de incentivo à pesquisa, o desenvolvimento tecnológico, a produção e a inovação de produtos fitoterápicos, a partir da biodiversidade regional”. A política abrange plantas medicinais nativas e exóticas adaptadas, amplia as opções terapêuticas aos usuários do SUS, e ainda prioriza as necessidades epidemiológicas da população.

 

II Seminário de Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos

Inscrições abertas: (85) 3101-4364/ 3101-4187 e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Dia do seminário: 18 de maio de 2016
Horário: 8 às 17 horas
Local:  Casa José de Alencar - Av. Washington Soares, 6055, Messejana

06.05.2016


Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá / Helga Rackel ( Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. / 85 3101.5221 / 3101.5220)
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara

Publicado em Notícias

Nos dias 07 e 08 de abril, aconteceu em Palmas, Estado do Tocantins, a 4a oficina de Análise e Mapeamento das Cadeias de Valor de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. O evento teve o apoio da Secretaria de Agricultura e Pecuária – SEAGRO-TO que foi responsável por convidar atores locais e também de outros Estados da região norte, como os Estados do Pará e de Rondonia, que também participaram da oficina.

Dentre os setores representados tivemos a participação do Governo, Universidades, Setor Empresarial e Mulheres Agricultoras Familiares e agroextrativistas.


O objetivo das Oficinas de Trabalho é realizar um diagnóstico participativo com atores da cadeia produtiva de Plantas Medicinais na Região Norte, identificando os gargalos e oportunidades para a orientação de estratégias de aprimoramento e fortalecimento das cadeias mapeadas, bem como ações de apoio que estimulem a sua sustentabilidade econômica, social e ambiental, promovendo a conservação do bioma e apoiando a formulação e a articulação das diversas de políticas públicas existentes para as populações do campo.

Durante a oficina, foi possível mapear a cadeia de valor de quatro espécies de plantas medicinais: a babosa, a hortelã, a sucupira e a macaúba. Essas espécies foram definidas a partir de critérios de levam em conta a viabilidade social, econômica e legal, buscando ampliar possibilidades de apoio para o crescimento e acesso aos mercados privados e públicos.

mapa


Durante a oficina formam-se grupos de trabalho compostos por atores que representam, na medida do possível, cada elo da cadeia, o que possibilita a troca de experiências e informações, contribuindo dessa forma para a adequação dos instrumentos e políticas públicas na área de plantas medicinais.

 

grupo

Os diagnósticos, a partir dos mapeamentos, possibilitam identificar atores envolvidos estratégicos nos elos das cadeias de valor e constitui uma atividade prospectiva que visa o aprimoramento da produção de plantas medicinais e fitoterápicos por meio da estruturação de uma redes de serviços.

As oficinas constituem, também, espaços de articulações interinstitucionais e intersetoriais,  sendo um momento apropriado para verificar as convergências de ações e políticas públicas transversais em todas as cadeias de valor, bem como os “espaços vazios” que impedem o desenvolvimento pleno dessas cadeias, devido a baixa capacidade de resposta das instituições governamentais e não governamentais, como, por exemplo, Universidades e Redes de Assistência Técnica, que parecem não estar atentos a essas demandas.


Assim, torna-se indispensável a articulação de atores estratégicos para a estruturação de uma rede de serviços, de comunicação e de informação, como proposto pela RetisFito, possibilitando assim, a difusão, a disseminação, a reaplicação e a troca de experiências entre os segmentos das cadeias de plantas medicinais no país. Além disso, será possível dar visibilidade às iniciativas dos Governos Federal, Estadual e Municipal, no que se refere ao fomento dessas cadeias, sejam em programas, projetos ou na execução de políticas públicas.


Durante a oficina de Palmas-TO, foi dado início à identificação de ações comuns entre as várias instituições presentes, como por exemplo, serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural, pesquisa e apoio a comercialização das plantas medicinais e fitoterápicos. Essa articulação, em rede, contribuirá para que essas atividades possam ser realizadas respeitando a autonomia de cada instituição e com foco naquilo que se tem de interesse comum para o fortalecimento de todos os setores envolvidos.

reuniao pos oficina

Sua principal missão é ter uma agenda positiva para o uso sustentável dos recursos naturais e acesso aos mercados no Estado do Tocantins, com vistas a ser ampliado para toda a região norte.

Participe dessa articulação acessando a Rede de Experiências, tecnologia e inovação em Saúde em www.retisfito.org.br, cadastre-se e compartilhe.

 

 

Texto:

Joseane Costa e Mônica Souza

Equipe Retisfito

www.retisfito.org.br

Publicado em Notícias

Os projetos de plantas medicinais e fitoterápicos, das secretarias municipais e estaduais de saúde selecionados pelo edital nº2/2015 do Ministério da Saúde, receberam por meio do Fundo Nacional de Saúde o repasse referente ao valor de custeio em parcela única previsto no edital. No total, os 12 projetos selecionados receberam R$ 3,4 milhões. O recurso pode ser utilizado para a compra de insumos, materiais de consumo, contratação de pessoal e capacitação de profissionais.

O edital foi lançado pelo Ministério da Saúde em agosto de 2015 com o objetivo de fortalecer os projetos e aumentar a oferta de plantas medicinais e fitoterápicos com segurança, eficácia e qualidade no Sistema Único de Saúde (SUS). Nesta ação, está previsto ainda o repasse de recursos de investimento de R$ 594 mil que serão distribuídos entre os projetos selecionados e poderão ser utilizados na compra de mobiliário e equipamentos.

Entre as inscrições homologadas, 62 propostas participaram da seleção do edital que selecionou 12 projetos em três modalidades: assistência farmacêutica de plantas medicinais e fitoterápicos, arranjo produtivo Local em plantas medicinais e fitoterápicos e desenvolvimento e registro de fitoterápicos da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais do SUS (Rename) por Laboratórios Oficiais Públicos. Projetos de secretarias municipais de Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro foram selecionados.

“Desde 2012, o Ministério da Saúde tem apoiado projetos da cadeia produtiva de plantas medicinais e fitoterápicos, por meio de editais. Com este repasse de R$3,4 milhões referente ao recurso de custeio, os municípios e estados já podem iniciar a execução do projeto.Com esta ação, queremos impulsionar a disponibilização de fitoterápicos no SUS, porque entendemos a importância deste recurso terapêutico para a população e para o país”, afirma a Coordenadora de Assistência Farmacêutica Básica do Ministério da Saúde, Noemia Tavares.

POLÍTICA NACIONAL - Em 2006 foi publicada a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, cujas diretrizes foram detalhadas no Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos de 2008. No Plano Plurianual – PPA 2012-2015 do Governo Federal –, foi destinado recurso específico para apoio ao uso de plantas medicinais e fitoterápicos no âmbito do SUS. Desde 2012, são 78 projetos apoiados, totalizando investimento superior a R$ 30 milhões.

Esses projetos visam fortalecer a cadeia produtiva nos municípios, estados e DF, especialmente a oferta de fitoterápicos aos usuários do SUS. Os 78 projetos, que já receberam recursos federais, encontram-se distribuídos por todas as regiões do país e foram estruturados a partir dos editais do Ministério da Saúde. Até o momento, são 31 iniciativas de arranjo produtivo local, 44 de assistência farmacêutica e 3 de desenvolvimento e registro sanitário de medicamentos fitoterápicos da Rename por laboratórios oficiais públicos.

Projetos Selecionados em 2015:

Modalidade 1 – Apoio à estruturação ou consolidação da Assistência Farmacêutica  em Plantas Medicinais e Fitoterápicos

SMS Ajuricaba/RS

SMS Antônio Prado/RS

SMS Belo Horizonte/MG

SMS Juiz de Fora/MG

SMS Lajeado/RS

SMS Ouro Preto/MG

SMS Santo Ângelo/RS

SMS São Pedro do Iguaçu/PR

Modalidade 2 – Apoio à estruturação ou consolidação de Arranjo Produtivo Local

SMS Itapeva/SP

SMS Toledo/PR

SMS Umuarama/PR

Modalidade 3 – Apoio ao desenvolvimento e registro sanitário de fitoterápicos da RENAME

SES Rio de Janeiro 

 Fonte: Ministério da Saúde
Publicado em Notícias

Este relatório descreve os resultados da “Oficina de Trabalho para o Mapeamento e Análise de Cadeias de Valor de Plantas Medicinais e Fitoterápicos” realizada nos dias 06 e 07 de outubro de 2015 nas dependências da FIOCRUZ – Palácio Itaboraí, em Petrópolis/RJ.

Esta Oficina foi promovida pela Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) e pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), no âmbito do “Projeto de Fortalecimento da Gestão da Agricultura Familiar em Plantas Medicinais e Fitoterápicos”, cujo objetivo central é fortalecer a gestão da base produtiva em plantas medicinais e fitoterápicos, com foco na agricultura familiar, para apoio ao Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, com vistas à promoção da inclusão produtiva, pautado no poder de compra do SUS.

Acesse aqui!

 

Publicado em Notícias

Diversas oficinas acontecem na 9ª Reunião Técnica Estadual sobre Plantas Bioativas (9ª RTEPB) na sexta-feira (10). O evento acontece no Galpão Crioulo do Camping e desde a quarta-feira (09) reúne trabalhadores, voluntários e simpatizantes da área da saúde, educação e agricultura para abordar a situação e as perspectivas futuras sobre a produção de plantas bioativas. Inscrições gratuitas podem ser feitas durante o evento.

 

Confira as oficinas com turmas disponíveis para sexta-feira (11):

- Plantas ritualísticas: roda de conversa que aborda o uso  de plantas medicinais nas diversas correntes étnicas e religiosas como nas culturas  afro-brasileiras; mbyá-guarani; e tradições de benzedeiras.  Horário: das 08h30min às 11h

- Saúde Integral: mente, corpo e espírito: Conduzida pelo psicólogo Vilnei Roberto Varzim, a oficina busca discutir e refletir sobre o que é saúde integral e os processos de doença e  cura  através do entendimento do corpo, mente e espírito. Horário: 14h às 16h30min.

- Propriedades Terapêuticas dos Óleos Essenciais Nativos e exóticos: Trabalhar a identificação botânica; apresentação das espécies; propriedades terapêuticas; e fitomedicina dos óleos essenciais nativos e exóticos e de plantas aromáticas. Horário: 08h30min às 10h15min – primeira turma; 14h às 15h45min – segunda turma.

- Plantas alimentícias não-convencionais (PANCs): Nesta oficina os participantes terão a oportunidade de refletir sobre a importância do cultivo em escala pessoal, familiar ou coletiva. Realizada pelo Quintal Comestível, durante a oficina acontece uma rápida coleta no local e preparo das plantas para degustação. Horários: 16h às 17h45min.

- Plantas medicinais nativas do Bioma Pampa: Aprender a identificar plantas nativas do bioma Pampa, suas propriedades medicinais, procedimentos de uso das espécies selecionadas e uso sustentável dos recursos do bioma. Plantas incluídas na oficina: Tarumã; Erva-baleeira; Guaçatonga; Japecanga.  Horário: 08h30min às 10h15min – primeira turma; 14h às 15h45min – segunda turma.

- Homeopatia Popular: Nesta oficina serão abordados a história da homeopatia, seus princípios e aplicação prática da homeopatia na produção animal.  Prática de produção de medicamento para que os participantes entendam a facilidade de acesso a esse tipo de tratamento. Horário: 16h às 17h45min.

- Identificação de Plantas bioativas: Abordar questões cientificas e culturais relacionadas à identificação de plantas, dando orientações quanto à coleta e uso das informações botânicas. Horário: 16h às 17h45min.

- Plantas medicinais de uso animal: Uso de plantas bioativas na formulação de produtos para uso animal. Plantas e suas indicações; cuidado com as plantas; e formas de preparo e receitas de pomada, tintura e selante. Horário: 16h às 17h30min.

- Plantas tóxicas: Abordar as principais plantas tóxicas que causam prejuízos econômicos na produção pecuária, na região sul assim como os aspectos epidemiológicos, clínicos e patológicos das intoxicações por plantas em bovinos, ovinos e eqüinos.  Horário: 10h30min às 12h15min – primeira turma; e das 16h às 17h45min – segunda turma.

- Aromaterapia: definição de aromaterapia e o tratamento pelos óleos essenciais, substâncias extremamente concentradas e voláteis, de origem vegetal. Principais vias de aplicação  da aromaterapia. Memória olfativa e plantas usadas na aromaterapia.

- Jardins funcionais terapêuticos: Abordar os conceitos de ação,cultivo e trabalho com plantas e sua atuação na saúde física e mental  do ser humano.  Técnicas básicas de paisagismo e organização de canteiros e jardins utilizando plantas medicinais e bioativas. Horário: 10h30min às 12h.

- Biofertilizantes: Abordar aspectos teóricos e práticos sobre a produção  e o  manejo  de biofertilizantes utilizados na agricultura de base ecológica e produção de uma receita de biofertilizante. Horário: 14h às 15h45min.


Fonte:

Prefeitura de São Lourenço do Sul
Departamento de Comunicação (DECOM)
(53) 3251-9500 / Ramal: 9509
www.saolourencodosul.rs.gov.br
twitter.com/decomsls
facebook.com/prefeiturasls

 

Publicado em Notícias

Representantes do Governo Federal e Estadual e representante dos setores de Cosméticos, Laboratórios, Indústria Farmacêutica e da Agricultura Familiar, participam em Foz do Iguaçu-PR nos dias 26 e 27 de agosto da Oficina de Trabalho para o Mapeamento e Análise da Cadeia de Valor das Plantas Medicinais e Fitoterápicos, coordenada pela Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) e Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), em parceria com a Itaipu Binacional.

O objetivo da Oficina de Trabalho é realizar o mapeamento das principais cadeias de valor de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, identificando os gargalos e as oportunidades que precisam ser consideradas para estabelecer as estratégias de melhoria da cadeia bem como ações de apoio que estimulam a sua sustentabilidade econômica, social e ambiental, promovendo a conservação do bioma e apoiando a formulação de políticas públicas.

“O mapeamento das cadeias de valor de Plantas Medicinais e Fitoterápicos será um orientador para implementação de políticas publicas e estímulos ao mercado para o segmento”, destaca a Coordenadora de Projetos Especiais da FioCruz Joseane Costa.

A Oficina de Trabalho está vinculada ao Projeto de Fortalecimento da Gestão da Agricultura Familiar em Plantas Medicinais e Fitoterápicos, cujo objetivo central é fortalecer a gestão da base produtiva em plantas medicinais e fitoterápicos, com foco na agricultura familiar, para apoio ao Programa Nacional de Plantas Medicinal e Fitoterápico, com vistas à promoção da inclusão produtiva, pautado no poder de compra do SUS.

A Itaipu Binacional apoia as cadeias de plantas medicinais e fitoterápicos, por meio do Projeto Cultivando Água Boa. Liziane Pires, técnica do projeto destaca que “precisamos cada vez mais desenvolver as cadeias e dar apoio as comunidades de produtores, profissionais de saúde e comunidades em torno da produção e difusão de fitoterápicos”.

Saiba Mais

Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, criada em 2006 constitui em parte essencial das políticas públicas de saúde, meio ambiente, desenvolvimento econômico e social como um dos elementos fundamentais de transversalidade na implementação de ações capazes de promover melhorias na qualidade de vida da população brasileira.


Serviços:
Data: 26 a 27 de agosto de 2015
Horário: 8h30 às 17h00
Local: Ecomuseu – Itaipu Binacional, Foz do Iguaçu/PR
Contato: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
www.retisfito.org.br

Publicado em Notícias
Pagina 2 de 5